domingo, 25 de abril de 2010

Hackers Descodificam Sinal Nagravison 3


Aparentemente e por algumas noticias recentes chegadas de Itália e Espanha, o ano de 2010 começou mal para o novo sistema de codificação de Nagravision , o Nagra MÉDIA ACESS , pois segundo é possível ver em diversas paginas web, os hackers conseguiram descobrir em parte o seu funcionamento.

E colocaram a publico (na web) vários dos seus dados tornando possível a existência de diversos emuladores para fazerem com que os cartões dos operadores TivúSat (Itália), Mediaset (Itália) e TDT Premium/Gol TV (Espanha) funcionem em Cardsharing (método que permite a partilha de um cartão de assinante através de uma rede de internet), tal qual o "gato da Céu".

Em entrevista recente à revista SatKurier, Iván Schinder, Director de Marketing e Comunicação do Grupo Kudelski, explicitou que desde meados do ano passado Nagra MÉDIA ACCESS a versão mais avançada dos seus sistemas de acesso condicional substituíra a conhecida codificação Nagra 3.

Alias nessa mesma revista era publicada a noticia de que as plataformas polacas Cyfra + e Cyfrowy Polsat (uma das primeiras plataformas a codificar o sinal em Nagra 3) passariam a utilizar o sistema de acesso condicional Nagra MÉDIA ACESS.

Parece que a partir de agora Nagravision terá de rever o seu novo sistema de codificação, pois com certeza não contaria com este avanço por parte dos hackers que colocaram na internet dados que permitem o cardsharing nas italianas Tivúsat (Rom Tiger003), Mediaset (Rom NCMED004) e na espanhola TDT Premium (Rom Tiger601).

Isso, reabre discussões sobre que aparelho comprar no momento, se realmente o acesso Nagra 2 for bloqueado por completo e o acesso Nagra 3 for por Cardsharing, teremos de trocar a maioria de nossos decoders no Brasil, pois muitos tem a entrada para cartão e não tem em seu interior o leitor.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

TV Digital aberta poderá ter transmissões simultâneas em um único canal




Brasília - O ministro das Comunicações, Hélio Costa, anunciou nesta segunda-feira, 2 de março, que o governo estuda o estabelecimento de regras e critérios para a multiprogramação de emissoras comerciais de TV aberta. O instrumento jurídico deve estar concluído no prazo de 90 dias até menos. “É preciso estabelecer regras. A permissão da multiprogramação sem uma normatização é prejudicial. A sociedade perde o controle, como aconteceu com as rádios comunitárias. Não vamos saber quem está fazendo TV”, disse o ministro.

A regra para a multiprogramação das TVs comerciais abertas vem para coibir as transmissões irregulares no sistema digital. “O que não pode existir é abuso”, disse Hélio Costa, citando a venda, o aluguel e o proselitismo nos canais digitais, que são uma concessão pública do Estado brasileiro. Em dezembro, técnicos do Ministério das Comunicações detectaram transmissões piratas em sinal digital aberto na cidade de São Paulo.

O ministro disse que o governo pode vir a autorizar a multiprogramação, em caráter experimental, para as emissoras comerciais de televisão antes das regras entrarem em vigor. Hélio Costa adiantou que, se houver interesse público e a proposta atender às políticas nas áreas de cultura, educação e informação, o Ministério das Comunicações poderá a vir autorizar a multiprogramação experimentalmente.

Desde a quinta-feira, 26 de fevereiro, as tevês públicas – TV Brasil, TV Câmara, TV Senado e TV Justiça – estão autorizadas pelo ministério a transmitir programação simultânea. Como são emissoras cuja gestão é do próprio Estado, o ministro explicou que o governo decidiu autorizar o funcionamento porque há interesse público. O cidadão poderá acompanhar sessões simultâneas realizadas pelas comissões parlamentares do Senado e da Câmara, graças à multiprogramação.

A transmissão de mais de um canal ao mesmo tempo é possível graças à tecnologia digital adotada pelo Brasil – o sistema ISDB-T (Integrated Systems Digital Broadcasting Terrestrial) –, que garante não apenas alta definição na imagem, mas ainda a portabilidade e a mobilidade do sinal.

Hélio Costa lembrou que a normatização do uso da frequência de 6 MHZ permite a transmissão simultânea de sinais de alta definição para televisores fixos, celular e veículos automotores, garantindo ao cidadão brasileiro o acesso gratuito ao conteúdo da programação das tevês abertas em qualquer lugar.

De acordo com o ministro, a TV Digital já chegou a 10 capitais do país, atingindo 42% da população urbana brasileira. O cronograma de implantação está antecipado em um ano.

Chega o sinal digital aberto que está operando em capitais do Norte e Nordeste – Manaus, Teresina e Maceió.

Breve o Brasil terá a cobertura completa