quinta-feira, 11 de junho de 2009


Sharp lança modelos de TVs LCD com espessura de 3,4 centímetros
Por IDG News Service/Japão


Tóquio - Nova linha traz os modelos LCD mais finos do mercado. Para tal façanha, Sharp manteve externos os sintonizadores dos aparelhos.
A Sharp começa a vender no Japão, no dia 1º de março, uma nova linha de TVs LCD. Os modelos são os mais finos do mercado, com apenas 3,44 centímetros de espessura em seu ponto mais fino e 3,85 centímetros no mais largo, revelou a empresa nesta quinta-feira (24/01).As TVS têm menos da metade da medida dos outros modelos apresentados pela própria Sharp na mesma ocasião. O mercado, por sua vez, oferece equipamentos LCD com espessuras a partir de 10 centímetros.Veja também:> Fotos: veja os LCDs superfinos da Sharp> TVs do futuro serão mais finas, leves e dobráveis> Fotos: Protótipos das TVs do futuroRecentemente, durante o Consumer Electronics Show (CES 2008), a Sharp e fabricantes rivais, como a JVC, Hitachi e Panasonic, mostraram protótipos de TVs super finas.Para conseguir modelos tão finos, a Sharp separou o sintonizador do aparelho, mantendo um equipamento externo do tamanho de um videocassete.A série X têm modelos de 37, 42 e 46 polegadas. Este último custará no Japão o equivalente a 4.520 dólares.A Sharp afirma que as TVs serão vendidas em outros Países, mas ainda não tem planos concretos para a distribuição.Em um futuro próximo, a aparência das TVs será ainda melhor, graças a um transmissor de vídeo wireless - opcional. A unidade substitui o cabo HDMI, que liga o sintonizador à TV, dispensando fios.O sistema wireless é baseado em uma tecnologia proprietária criada pela Sharp, que opera em banda de 5GHz e envia um sinal HDMI para distâncias de até 20 metros - mas não funciona através de paredes. O kit wireless também começará a ser vendido no Japão em março, por 844 dólares.A Sony saiu à frente na batalha pelo lançamento da TV mais fina e começou a vender sua nova geração de TVs OLED - a XL-1 tem 11 polegadas e apenas 3 milímetros de espessura.
Martyn Williams, editor do IDG News Service, de Tóquio
Postar um comentário